25.2.13

Saúde&Lar - nunca é tarde para ter mais saúde

 


Estamos em pleno século XXI e a nossa sociedade, apesar de todos os avanços tecnológicos e científicos no campo da nutrição, continua dividida quanto a um tema que já vem sendo debatido há muito: um regime alimentar à base de alimentos de origem animal será de valor nutritivo e biológico superior a um regime baseado em alimentos de origem vegetal? Por detrás desta situação está a ideia de que a proteína de origem animal é de qualidade superior e, portanto, indispensável a uma boa alimentação. Quem segue uma alimentação isenta de alimentos de origem animal teria “carências nutricionais” que prejudicariam a sua saúde. Inclusivamente, há pessoas que pensam que as crianças precisam de alimentos de origem animal para se desenvolverem de forma equilibrada e saudável.Bom, como há defensores de ambos os lados, vamos guiar o estimado leitor numa caminhada pelas “provas” existentes em favor de um ou do outro regime, a fim de que possa fazer a sua escolha, certamente a melhor para si e para os seus, de forma livre e informada.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
À Procura de comida a sério“Peixe não puxa carroça” é um provérbio português antigo que muitas vezes é usado para fazer troça das pessoas que não comem carne. Mas a verdade é que nem os bois nem os burros comem carne e conseguem puxar e carregar cargas pesadas! Há uma ideia generalizada de que os seres humanos precisam de comer carne para serem saudáveis.Não podemos ignorar que a proteína é vital para a nossa alimentação. As moléculas que a formam são constituídas por aminoácidos que estão na base da construção, do funcionamento e da recuperação de todas as células do nosso organismo. Daí a importância de ingerirmos proteína de alto valor biológico, ou seja, proteína que contenha o máximo de aminoácidos possível. Dos vinte aminoácidos necessários para o funcionamento e restauração do nosso organismo, doze são fabricados pelo nosso corpo e oito são ingeridos a partir de fontes exteriores, na alimentação, sobretudo. São os chamados “aminoácidos essenciais”. E é aqui que surge a questão: Serão os alimentos de origem animal uma fonte de proteína de valor biológico superior à dos alimentos de origem vegetal?Na verdade, se compararmos o valor nutritivo de um alimento cárneo isolado (um bife, por exemplo) com o valor de um alimento vegetal isolado (a batata, por exemplo), a carne é mais nutritiva e uma boa fonte de proteína; mas se tomarmos os alimentos em conjunto, a coisa muda de figura. Vejamos, no gráfico em baixo, o valor biológico (em aminoácidos essenciais) de alguns alimentos de origem vegetal. Nesse gráfico, partimos da hipótese (muito improvável!) de uma pessoa comer apenas um alimento vegetal dos onze que escolhemos até perfazer 2500 calorias diárias.Mas, como com todas as coisas boas, podemos fazer mau uso das proteínas, quer ingerindo alimentos de má qualidade e, portanto, de pobre valor biológico, quer ingerindo-as em excesso,
e isso traz consigo alguns problemas.

Por um lado, a maior parte das pessoas exagera nas suas necessidades de proteína. A Ingestão Diária Recomendada (IDR) são uns generosamente adequados 45 a 60 gramas. No entanto, a maioria das pessoas com um estilo de vida ocidental consome duas a três vezes essa quantidade de proteína de origem animal. Essas quantidades excessivas de proteína são problemáticas para os rins, promovem a gota e, dado que acidificam o sangue, fazem com que o cálcio seja retirado dos ossos para anular essa acidez. No gráfico em cima vemos o que acontece quando se ingere proteína em excesso.Portanto, a ingestão excessiva de proteína é um dos fatores que leva à osteoporose.Um problema ainda maior é a dose exagerada de gordura (principalmente saturada) e de colesterol. As pesquisas científicas têm implicado, de forma claríssima, uma alimentação rica em gordura e colesterol como a principal culpada das doenças assassinas ocidentais. E os alimentos que nos estão a fazer mal são, sobretudo, produtos de origem animal, como a carne, as aves, os ovos e os laticínios.
O problema é que, embora o corpo humano consiga alimentar-se de alimentos de origem animal, falta-lhe a proteção contra grandes quantidades de gordura e de colesterol. A gordura e o colesterol em excesso amontoam-se na corrente sanguínea e começam a aderir às paredes dos vasos sanguíneos. Gradualmente, com o passar do tempo, formam-se placas, as paredes das artérias engrossam e endurecem, as artérias ficam mais estreitas e a aterosclerose instala-se.Em consequência, o fornecimento de sangue aos órgãos vitais diminui ou desaparece, e está montada a cena para muitas das doenças assassinas de hoje, como as doenças cardíacas, a hipertensão, os AVCs, a diabetes e vários tipos de cancro.No gráfico em baixo vemos o efeito da mudança de uma alimentação rica em proteína animal para uma alimentação de origem vegetal, no que respeita aos níveis de colesterol no sangue.
Sempre se comeu carne…Vamos olhar para o início do século passado. Não tínhamos muitas destas doenças relacionadas com a aterosclerose porque, em 1900, não comíamos carne várias vezes por dia, como fazemos agora. Naquela altura, cerca de 70% da nossa proteína vinha de alimentos vegetais. Hoje, obtemos 70% de produtos de origem animal, carregados com toxinas, gordura saturada e colesterol.Naquele tempo, também criávamos os nossos animais de maneira diferente. As galinhas esgravatavam nos quintais e os porcos rebolavam-se nas poças de lama. Mas essas quintas idílicas e felizes foram substituídas pelas quintas-fábrica de hoje. Cria-se o maior número possível de animais no menor espaço possível e com a mínima despesa possível. A maior parte dos animais usados na alimentação hoje são criados em confinamento ou presos em jaulas, sem a prática de qualquer exercício. A carne desses animais pode conter até duas vezes mais gordura do que a de animais criados no campo ou em liberdade numa quinta normal.Os animais ingerem e armazenam no seu corpo produtos químicos provenientes dos fertilizantes e dos pesticidas usados na sua alimentação. Hormonas, antibióticos e outros produtos químicos também são administrados de forma rotineira a animais em sistemas de confinamento intensivo para disfarçar o stresse e a doença e para acelerar o crescimento. Os resíduos desses poluentes acabam por chegar à cadeia alimentar. Para quem quiser ver as evidências, o grosso da literatura científica acusa a alimentação como a principal culpada dos problemas de saúde de hoje. E os principais acusados são os alimentos de origem animal.Mas a mensagem está lentamente a passar: Hoje, nalgumas zonas do mundo, já se consome menos carne de vaca, ovos, leite gordo, queijo e manteiga do que há 10 anos, mas o consumo de carne ainda está a aumentar em países como Portugal e o Brasil.
Questão de estilo de vida
Milhões de pessoas em todo o mundo estão a viver bem comendo proteínas de origem vegetal. Eis algumas vantagens:
Vantagens para a Saúde
As pessoas que não comem alimentos de origem animal têm:
• Menos ataques cardíacos e AVCs.
• Menos problemas de excesso de peso.
• Menos colesterol.
• Menor pressão arterial.
• Menos diabetes.
• Menos hemorroidas, menos doença diverticular e melhor regularidade intestinal.
• Menos cancro da mama, da próstata e do cólon.
• Ossos mais fortes, menos osteoporose.
• Menos pedras no rim e na vesícula, e menos doenças renais e artrite gotosa.
• E tendem a viver mais tempo!
Vantagens Ambientais
A agropecuária é, no mundo, a indústria que mais destrói o ambiente.
Mudar para uma alimentação sem carne:
Pouparia água: São necessários cerca de 100 litros de água para produzir meio quilo de trigo, mas são necessários 100 000 litros
para produzir meio quilo de carne de vaca.
Protegeria as florestas tropicais: Produzir apenas meio quilo de hambúrgueres na Costa Rica envolve a destruição de 6 metros quadrados de floresta tropical, necessários para cultivar o alimento destinado aos animais.
Salvaria árvores: As florestas são cortadas para cultivar cereais destinados à alimentação de animais. Cada comedor de carne que muda salvará 4000 metros quadrados de árvores por ano.
Manteria a água limpa: Anualmente, o funcionamento dos espaços confinados para gado produz, por si só, mil milhões de toneladas de dejetos animais – uma fonte importante de poluição da água.
Vantagens para a Produção Mundial de AlimentosAs evidências contra a carne e contra outros produtos de origem animal estão a acumular-se à medida que as pesquisas no campo da nutrição confirmam que uma alimentação construída em volta de alimentos integrais de origem vegetal é não só adequada, mas também superior.Os seres humanos não têm o instinto de matar.Estamos mais preparados para salivar em frente de um cacho de uvas frescas do que diante de um naco de carne crua. É reconfortante saber que uma alimentação composta por fruta, vegetais, leguminosas e cereais está perfeitamente adaptada às nossas necessidades – anatómica, fisiológica e instintivamente.Mas não é fácil examinar os nossos hábitos alimentares de toda a vida e descobrir que estão errados. Mas, se formos sábios, fá-lo-emos. E, se formos sábios, não olharemos para os matadouros nem para as indústrias em busca de comida a sério. Os sábios entre nós encontrarão comida a sério nas hortas e quintas da nossa terra.
Sumário• A criação de animais para abate desperdiça meios alimentares que deviam ser usados para nutrir os famintos deste mundo e
esgota de forma dramática as nossas fontes de produção de alimentos, como o solo fértil e os lençóis freáticos.
• A criação de animais para abate devasta as florestas e outros habitats de vida selvagem, e despeja mais poluentes nos nossos lagos e rios do que todas as outras atividades humanas combinadas.• A criação de animais para abate nas quintas-fábrica de hoje envolve o confinamento, o excesso de animais, a privação, a mutilação e outros abusos grosseiros, e a morte de perto de 9 mil milhões de animais inocentes e que sentem.• O consumo de gordura de origem animal e de carne tem sido claramente relacionado com uma elevada incidência de doenças cardíacas, AVCs, cancro e outras doenças crónicas que incapacitam e matam mais de um milhão de pessoas por ano, nos países de língua oficial portuguesa do mundo.
Eliminando o hábito de comer carneMuitas pessoas que fizeram da carne e dos laticínios o centro das suas refeições durante anos sentem falta de alguma coisa quando tentam organizar refeições sem carne. Durante algum tempo, as suas refeições parecem incompletas sem os alimentos cárneos.Pode satisfazer o seu apetite comendo uma alimentação isenta de carne. Pode levar algum tempo a ajustar-se, mas este modo de comer acabará por se tornar aceitável e, depois, preferível. Se o prezado leitor desejar fazer a escolha de seguir um regime mais saudável, as receitas que lhe apresentamos todos os meses serão, certamente, uma ajuda preciosa para a preparação de refeições saborosas e nutritivas, isentas de alimentos de origem animal e seus derivados.
Seleção de alimentosMas também pode pôr em prática a sua imaginação e criar a sua própria ementa para um dia. Nesse caso, aproveite as orientações que lhe proporcionamos e construa as suas refeições à volta das categorias alimentares indicadas.
E agora decida, amigo leitor. Pelo melhor.A sua saúde e a dos seus agradece!
Manuel FerroRedação S&L
*Adaptado de Hans Diehl, Aileen Ludington, Health Power, pp. 110-113. Gráficos adaptados de Neil Nedley, Proof Positive, pp. 147-166.

Sem comentários: